Udesporto - Jornal desportivo online com blog e análise de jogos

Counter-Strike: GO May 26, 2019 Daniel Sousa

coachi: "O Major é o sonho. Sempre foi e vai continuar a ser"

BRAGA - A XF Braga Cup 2019 chegou ao fim, com os OFFSET eSports a levarem o troféu para casa após uma vitória por 2-1 sobre os YNG Sharks na grande final. Entre a segunda meia-final do dia e o jogo decisivo, o Universo do Desporto esteve à conversa com Hélder "coachi" Sancho, treinador do lineup brasileiro. O técnico português fez o balanço do período em que os YNG Sharks estiveram ausentes de Portugal para jogarem uma série de torneios internacionais e, entre outras coisas, traçou os objetivos para a segunda metade de 2019.

"As coisas têm corrido bem. Temos crescido e isso é que é importante, o olhar para uma equipa e ver que está sempre a crescer. Chegámos a número 22 do Mundo, queremos crescer mais e jogar todos esses torneios foi incrível. Tivemos grandes prestações. Ganhámos BO3s a equipas de Tier 1, ficámos em 3.º na PGL em Abu Dhabi, onde ficámos à frente de HellRaisers, de AVANGAR, ficámos empatados com Forze, ganhámos um mapa aos G2 e eliminámos os TyLoo. Foi muito bom. Ficámos em 3.º na DreamHack, queríamos ganhar mas ficar em 3.º numa DreamHack é sempre uma coisa boa e para lembrar. Hoje em dia, ao olhar para trás, foi incrível", afirmou o treinador de 31 anos.

De acordo com coachi, os Sharks vão procurar dar sempre atenção ao público português, mas o técnico confessa que não será fácil estarem presentes em muitos eventos nacionais: "É tentar dar um bocadinho de atenção ao público português, que nos ajuda e nos apoia sempre bastante, e tentar jogar um ou outro torneio por ano em Portugal. Não vai ser fácil jogar muitos porque esperamos estar a jogar para voos maiores, mas acho que é porreiro para todos que venhamos a estas coisas e joguemos também um bocadinho."

Os YNG Sharks jogaram em Portugal pela primeira vez desde outubro de 2018. Ficar em solo português está nos planos da equipa... mas apenas para treinar. "A nossa estrutura neste momento é jogar o maior número possível de vagas internacionais e a maior parte delas para nós estão no Brasil. Mas vamos estar bastante tempo em Portugal, porque é a nossa base. Temos estado em Lisboa nos últimos dois meses a preparar torneios, porque o nosso treino, o treino europeu, é o melhor que há e nós queremos aproveitar a base que os YNG Sharks nos dá para treinar em Portugal.", explica coachi.

"Vamos estar sempre a passar tempo em Portugal, principalmente para treinar, mas não significa que volta e meia não joguemos este tipo de torneios. Vai ser raro, mais do que no início, mas vamos fazê-lo quando for possível. Portugal vai continuar muito provavelmente a fazer parte dos Sharks mas mais numa ótica de treino. Depois, jogar os qualifiers e as grandes vagas sul-americanas e, principalmente, poder jogar os grandes torneios mundiais. Esse é que é o objetivo dos Sharks."

Os objetivos para a segunda metade do ano e o sonho de uma vida foram também tópico de conversa: "Eu ponho sempre a barra muito elevada e tenho sempre os meus objetivos muito altos. Vou ser sincero e dizer não os objetivos coletivos dos Sharks, mas sim os meus pessoais. Nós no ano passado jogámos três, quatro eventos grandes de tier 1 em LAN. Eu gostava de este ano jogar quatro ou cinco mais, de ultrapassar o número de eventos que jogámos no ano passado, mas principalmente de chegar a um dos Minors. Ou neste, que vamos jogar já no dia 4 o closed qualifier da América do Sul, ou no próximo. Num deles, chegar ao Minor e, estando no Minor, o sonho é conseguir passar e chegar ao Major. O Major é o sonho. Sempre foi e vai continuar a ser. Se não for este ano, que seja para o próximo mas este ano temos duas oportunidades e vamos tentar numa delas", concluiu.


Fotografia: Defs.pt