Udesporto - Jornal desportivo online com blog e análise de jogos

Fórmula 1 Aug 29, 2019 Ana Ventura

GP da Bélgica: o regresso da F1

Com o término das férias de verão para os pilotos, chega um dos eventos mais esperados pela comunidade de Fórmula 1, o Grande Prémio da Bélgica, que acontece no circuito de Spa-Francorchamps.

O Grande Prémio da Bélgica é um dos mais antigos que existe no calendário, com a sua primeira corrida ser realizada em 1925 em Spa-Francorchamps, e contou com mais 60 eventos nessa mesma pista. Porém este não foi o único circuito que recebeu este evento. Junto a este estão outros três circuitos – Bois de la Cambre (apenas utilizado em 1946), Nivelles (1972, 1974) e Zolder (1973, 1975-82, 1984). O Grande Prémio da Bélgica não foi relizado 18 vezes, entre corridas oficiais e não oficiais

Em 1925, decorria o Campeonato Mundial de Construtores quando foi ganha a primeira corrida do Grande Prémio da Bélgica, com a vitória a ser de Antonio Ascari no seu Alfa Romeo. Porém, a primeira corrida oficial do Campeonato de Fórmula 1, realizada em 1950, foi ganha por Juan Manuel Fangio, também com um Alfa Romeo. Atualmente, a última vitória está no nome de Sebastian Vettel e do seu Ferrari número 5.

O piloto que mais vitórias tem neste cirucito é Michael Schumacher, com seis vitórias. Os rivais Lewis Hamilton e Sebastian Vettel estão em igualdade de vitórias, ambos com apenas três corridas ganhas. Ainda sobre os pilotos atuais da grelha, é Kimi Raikkonen o piloto com mais vitórias, com quatro. Passando para as equipas, é a Ferrari que detém o título de maior vencedora, com 17 corridas ganhas contra a McLaren, com 14.

Alguns momentos épicos deste Grande Prémio:

  • 1954 – Arthur Legar, de 54 anos, correu na sua prova caseira, sendo ele o terceiro piloto mais velho da história da categoria rainha. Acabou por se retirar com problemas na transmissão;
  • 1961 – Phil Hill vence a corrida por apenas 0,7s do seu companheiro de equipa, Wolfgang von Trips. É uma das margens de término de corrida mais pequena do mundo da F1;
  • 1995 – Michael Schumacher vence a corrida belga depois de começar de 16.º, a posição mais baixa que um vencedor desta corrida começou;
  • 1992 – Durante os treinos livres, Erik Comas teve um grave acidente na saída de Blanchimont, acabando por ficar inconsciente. Ayrton Senna, o tricampeão e lenda do desporto, viu o acidente em primeira mão, e decidiu ajudar o colega de profissão, ao desligar o motor do Ligier e segurar na cabeça do francês, enquanto esperava por ajuda médica. 
  • 1998 – Uma das piores partidas de todos os tempos aconteceu em Spa-Francorchamps, numa corrida molhada, onde David Coulthard bateu contra o muro e provocou um dos maiores acidentes, com 13 carros a serem vitimas. Como na altura existiam carros reservas, apenas quatro pilotos (Barrichello, Rosset, Panis e Salo) não recomeçaram por não terem carro;
  • 2000 – Michael Schumacher e Mika Hakkinen, campeões do mundo de F1, lutaram pela vitória, com o alemão à frente do seu eterno rival. Numa tentativa de desespero, o finlandês vê a oportunidade de ultrapassar o piloto da Ferrari utilizando um carro retardatário. A imagem é clara – Schumacher na esqueda, Zonta no meio e Hakkinen na direita na reta que segue a curva Raidillon para executar a ultrapassagem. Ainda hoje, é considerada uma ultrapassagem fantástica;
  • 2009 - Dia 29 de agosto de 2009 ficou na história para a Force India (atual Racing Point), que conquistou a sua primeira pole position com Giancarlo Fisichella no volante a fazer 1.46.308s;
  • 2012 – A partida da corrida não foi nada boa para Romain Grosjean, que bateu em Lewis Hamilton e causou um acidente verdadeiramente terrível no inicio da corrida. O choque entre os dois vitimou Fernando Alonso, Sergio Perez e Kamui Kobayashi;
  • 2016 – Kevin Magnussen tem um grave acidente depois do seu carro se descontrolar na subida da Eau Rouge;
  • 2018 – Um acidente idêntico ao de 2012 aconteceu, também na partida, e que mais uma vez, vitimou o espanhol Fernando Alonso e o seu McLaren. A culpa foi de Nico Hulkenberg, que falhou o seu ponto de travagem e levou o espanhol à frente. O piloto da McLaren passou por cima de Charles Leclerc, e depois desse dia, as opiniões sobre o halo mudaram imenso, depois de ter sido estudada a possibilidade de Leclerc poder ter sofrido danos graves se o halo não estivesse lá.