Udesporto - Jornal desportivo online com blog e análise de jogos

Motores Jun 12, 2019 Ana Ventura

Mikkelsen de volta à Hyundai para o Rally da Sardenha

Depois de ter falhado a jornada em Portugal, onde foi substituído por Sébastien Loeb, Andreas Mikkelsen vai regressar ao volante do Hyundai. O piloto norueguês regressa já na próxima etapa do Campeonato do Mundo (WRC), na Sardenha.

Em declarações à Autosport, o diretor da equipa, Andrea Adamo, afirmou que quer manter o piloto norueguês até ao final da época. O meu plano é mantê-lo connosco a partir de Sardenha. Mas o meu plano era também mantê-lo de Monte Carlo em diante, afirmou.

Quando questionado se Mikkelsen ficaria no carro até ao final da temporada, o diretor respondeu que preferia não dizer nada para mais tarde não ser contradito. E, em estilo de brincadeira, afirmou: Tentei ter o melhor do meu pessoal. Não sei muito sobre futebol, mas sei que as melhores equipas usam os seus melhores jogadores.”

Neste momento, a atenção foca-se no rally daquela ilha mediterrânica, mas a Hyundai já pensa no seu dilema para o Rally da Finlândia, uma prova pouco favorável à equipa e a primeira depois da férias de verão, com Sordo e Loeb resistentes a participar e com a forma em que Mikkelsen se encontra.

A Finlândia sempre foi o rally mais fraco da Hyundai, e este ano, Adamo queria conseguir algo mais para além de um pódio. Mas o que mais preocupa o diretor da Hyundai não é a forma dos seus pilotos, mas sim o carro: Todos pensam em Finlândia, Finlândia, Finlândia, mas, honestamente, estou mais preocupado com o lado do carro do que com os pilotos. Com certeza o carro mostrou um bom progresso, mas ainda temos problemas onde o terreno não tem muita aderência e a Finlândia é um lugar onde as estradas estão escorregadias. Estamos a trabalhar nisso.”

"Eu tenho pilotos como o Neuville, que já esteve na Finlândia muitas vezes. Talvez ele não seja tão competitivo como Tanak ou Meeke ou talvez Latvala na Toyota. Mas vamos lá ... é o Neuville! Nós nunca lhes demos o carro certo para sermos competitivos na Finlândia, admitiu.