Udesporto - Jornal desportivo online com blog e análise de jogos

Exclusivos Nov 02, 2019 Pedro Oliveira

NBA: os candidatos aos prémios da época regular

Com a nova época da NBA já em máxima força, é difícil não começar já a fazer previsões de quem vencerá os prémios no final do ano. Com a liga completamente virada do avesso, após uma das off-seasons mais atribuladas da história, muitos são os possíveis cenários.

Após uma off-season que viu vários nomes importantes a trocar de camisola, é difícil prever quem vencerá os prémios de Most Valuable Player, Rookie of the Year, Defensive Player of the Year, Sixth Man of the Year, Most Improved Player e Coach of the Year. Pegando então numa bola de basquetebol de cristal, fazemos uma previsão dos possíveis vencedores.


Most Valuable Player (MVP)

Vencedor do ano passado – Giannis Antetokounmpo


Giannis Antetokounmpo (Milwaukee Bucks) – Com apenas 24 anos, Giannis venceu este prémio o ano passado com imenso mérito, levando os Milwaukee Bucks a vencer 60 dos 82 jogos da época regular. Com uma presença sempre feroz dentro da zona de dois pontos, muito pelo tamanho enorme dos seus braços, poucos são os os jogadores capazes de o parar, e na época 2019/20 não será diferente. Para além disso, o atleta grego mostra alguns sinais de ter melhorado o seu tiro exterior, o que se for o caso lhe dá mais uma arma importante no arsenal. A performance da equipa também tem peso neste prémio, e como os Bucks mantiveram grande parte do seu plantel, se Giannis se mantiver livre de lesões, é um forte candidato a vencer "back-to-back".

Kawhi Leonard (Los Angeles Clippers) – Kawhi Leonard pode ser uma pessoa calada, mas o seu jogo fala muito alto. O último MVP das Finals, agora com os Clippers, tem uma excelente oportunidade para continuar o bom ritmo que demonstrou em Toronto. A equipa de Los Angeles tem muitos jogadores de qualidade, mas Leonard vai ser a arma principal do treinador Doc Rivers. Enquanto Paul George não regressar de lesão, a equipa vai depender muito das capacidades quase robóticas de Kawhi, tanto a nível ofensivo como defensivo, o que pode muito bem valer-lhe o seu primeiro prémio de MVP da época regular. Se a lesão no quadríceps não o fizer perder muitos jogos, a consistência de Leonard pode adicionar ainda mais ao palmarés individual do jogador.

James Harden (Houston Rockets) – O suspeito do costume nesta discussão. Depois de não ter ganho o ano passado, mesmo com a média impressionante de 36.1 pontos por jogo, Harden demonstrou que não ficou feliz com a decisão, o que vai de servir de imensa motivação para o número 13 de Houston. Mesmo com Russell Westbrook ao seu lado, James Harden vai continuar a ter de ser a peça ofensiva mais importante da equipa, especialmente devido ao facto dos Rockets continuarem a não apostar no banco da equipa. Se Harden e Westbrook conseguirem trabalhar bem juntos e fizerem com que Houston continue a ser das equipas mais ameaçadoras do Oeste, muitos olhos vão ver Harden como o diferenciador, o que lhe pode garantir o segundo prémio de MVP.



Rookie of the Year (ROY)

Vencedor do ano passado – Luka Doncic

 

Zion Williamson (New Orleans Pelicans) – Um dos atletas com mais expetativas a entrar na liga desde LeBron James é um claro concorrente para vencer Rookie do ano. Mesmo com a lesão no joelho que não o vai permitir entrar dentro de campo durante uns meses, todos os sinais ainda apontam para Zion vencer o prémio, se jogar esta temporada. Após uma pré-época de bom nível, Zion tem, nos Pelicans, uma equipa jovem que precisa de um novo líder após a saída atribulada de Anthony Davis, e Williamson vai de certeza demonstrar o porquê de ter sido a escolha número um do Draft, se a lesão não o afetar muito.

Ja Morant (Memphis Grizzlies) – A escolha número dois do Draft é já o base principal da equipa dos Grizzlies, o que vai ter influência nos bons números que Morant vai conseguir ao longo do ano. Muito parecido com o anterior base de Memphis, Mike Conley, Ja é um jogador rápido e com uma excelente capacidade de passe, que também tem bons reflexos e instintos defensivos. Ao lado de Jonas Valanciunas e Jaren Jackson Jr., Ja Morant vai ter uma temporada de bom nível, o que lhe pode valer o título de Rookie of the Year.

Rui Hachimura (Washington Wizards) – Numa equipa dos Wizards com poucas expetativas de chegar aos play-offs, o japonês Hachimura vai ter muitos minutos e pode ser muito importante para a equipa de Washington. A nona escolha do draft mostrou no Campeonato do Mundo da FIBA que consegue impactar o jogo em ambos os lados do campo, muito devido à sua agilidade e comprimento. Com a possibilidade do técnico Scott Brooks pedir a Rui para auxiliar Bradley Beal no lado ofensivo do jogo e também lhe pedir para ter grande parte dos trabalhos defensivos, Hachimura pode ter uma temporada muito interessante.



Defensive Player of the Year (DPOY)

Vencedor do ano passado – Rudy Gobert


Rudy Gobert (Utah Jazz) – Com uma conferência Oeste ainda mais competitiva, as habilidades defensivas do poste francês vão ser ainda mais postas à prova durante esta temporada. O vencedor do prémio já back-to-back tem uma excelente oportunidade de ganhar o terceiro consecutivo, se continuar a rejeitar lançamentos a torto e a direito ao longo do ano. Numa equipa com aspirações de chegar mais longe nos play-offs, com as adições de Mike Conley e Bojan Bodganovic, e tendo o próprio francês o objetivo de finalmente ser selecionado para o jogo All-Star, motivações não faltam para Gobert.

Draymond Green (Golden State Warriors) – Enquanto Steph Curry será chamado para marcar imensos pontos todas as noites, Draymond Green terá nos seus ombros grande parte do peso defensivo. O vencedor do prémio em 2017 tem, esta temporada, mais uma hipótese de o vencer, com as saídas de várias peças defensivas importantes da equipa, como Kevin Durant e Andre Iguodala. Para além disso, a ausência de Klay Thompson no início da época e as poucas habilidades defensivas de D’Angelo Russell são outros fatores que podem fazer com que Draymond assuma mais responsabilidades e demonstre todo o seu arsenal.

Anthony Davis (Los Angeles Lakers) – Após todo o drama com os Pelicans na época passada, Anthony Davis está onde supostamente queria estar, ao lado de LeBron James. Nunca antes na carreira o poste teve tanto talento ao seu lado, e estando a querer assegurar um contrato máximo na próxima off-season e chegar longe nos play-offs, Davis tem muito a querer provar. Embora seja considerado um dos melhores defensores da liga, nunca ganhou este prémio, o que pode ser mais uma motivação para o "Brow" em termos defensivos.



Sixth Man of the Year (SMOY)

Vencedor do ano passado – Lou Williams


Lou Williams (Los Angeles Clippers) – Um dos melhores jogadores de sempre a sair do banco, Lou Williams consegue sempre números impressionantes. E, estando os Clippers na melhor posição de sempre na história da equipa em termos de talento e aspirações ao título, já se sabe que Williams vai ter um grande impacto. Uma verdadeira máquina de fazer pontos saída do banco é tudo o que uma equipa com foco defensivo precisa para ter sucesso.

Spencer Dinwiddie (Brooklyn Nets) – Muito semelhante a Lou Williams, Spencer Dinwiddie também consegue marcar muito vindo do banco, embora com menos volume. Porém, o que Dinwiddie também traz consigo é uma capacidade de passe que pode ajudar muito uma equipa de Brooklyn que precisa de playmakers. Aliado com uma capacidade de conseguir motivar os outros reforços do banco, Dinwiddie é um forte candidato a ser Sixth Man.

Derrick Rose (Detroit Pistons) – Se Derrick Rose se conseguir manter livre de lesões graves ao longo do ano e demonstrar a mesma energia com que jogou a época passada em Minnesota, o MVP mais jovem da história da liga em 2011 pode muito bem vir a ser o Sixth Man do ano. Com um papel mais expressivo em Detroit, que para além dele não tem muitas opções vindas do banco, a pré-época pareceu mostrar uma boa química entre o base e Andre Drummond, o que pode também ser bom para as hipóteses de Derrick Rose.



Most Improved Player (MIP)

Vencedor do ano passado – Pascal Siakam

 

Bam Adebayo (Miami Heat) – Com a troca que viu Hassan Whiteside rumar a Portland, Bam Adebayo vai finalmente poder demonstrar o talento que tem como poste titular ao longo do ano. Com mais tempo em campo, Bam vai conseguir não só continuar a mostrar as suas capacidades defensivas de grande nível, como também vai conseguir melhorar muito ofensivamente. Para além disso, jogar ao lado do ala criador Jimmy Butler também vai ter um bom impacto na eficiência da temporada de Adebayo, que pode melhorar muito os números do atleta de apenas 22 anos.

Brandon Ingram (New Orleans Pelicans) – Agora longe das luzes brilhantes e da pressão de L.A, Ingram pode dar o salto e atingir o que tanto prometeu quando foi a segunda escolha no Draft em 2016. As suas capacidades ofensivas podem ser muito importantes e ainda mais exploradas pelos Pelicans, principalmente os lançamentos exteriores, visto que grande parte das atenções vão estar em Zion Williamson e Jrue Holiday. Se Brandon Ingram conseguir também melhorar em termos defensivos, o jovem de 22 anos pode ter números bastante interessantes no fim da temporada.

Jonathan Isaac (Orlando Magic) – O ala dos Magic, nos últimos anos, tem precisado de muito tempo de adaptação ao ritmo da NBA. Porém, Isaac foi uma das peças importantes na definição da identidade defensiva de Orlando na época passada, o que vai continuar a ser durante esta temporada. Se aliar à capacidade defensiva um jogo ofensivo mais estável  e confiante, Jonathan Isaac pode ter um grande crescimento em termos de números e impacto.



Coach of the Year (COY)

Vencedor do ano passado – Mike Budenholzer


Mike Malone (Denver Nuggets) – Os Denver Nuggets ficaram em segundo lugar na conferência Oeste na temporada passada, e este ano têm o potencial de ir ainda mais longe. O estilo de jogo de Malone e a química que tem com os seus jogadores, especialmente com Nikola Jokic, é um dos fatores que mais importância pode ter durante a época regular. E se os Nuggets ficarem à frente dos Lakers e dos Clippers na conferência, Mike Malone pode muito bem ser escolhido como treinador do ano.

Mike Budenholzer (Milwaukee Bucks) – Embora a falta de Malcolm Brogdon possa trazer um vazio defensivo no início da temporada de Milwaukee, Budenholzer comprovou o ano passado que é capaz de tapar qualquer tipo de buracos que apareçam com os seus esquemas. Mais um ano de Giannis é igual a mais um ano de sucesso para os Bucks, que conseguiram manter grande parte dos seus jogadores, o que significa que o técnico pode muito bem vir a ser novamente treinador do ano se continuar a utilizar o grego de forma efetiva.

Quin Snyder (Utah Jazz) – Os esquemas defensivos de Quin Snyder sempre foram brilhantes, o que tornou os Jazz na melhor defesa da liga, muito pelo trabalho do poste Rudy Gobert. Porém, a adição de vários criadores, como Mike Conley e Bojan Bogdanovic, e com um possível salto de Donovan Mitchell, Utah pode melhorar muito ofensivamente, o que pode ter um grande impacto na escola de Snyder como treinador do ano.